Arquivo do mês: janeiro 2010

Hoje é dia de Gêmeos

Ano passado,  tive a oportunidade de assistir uma mesa redonda com Osgêmeos, visitar a Exposição na FAAP e ainda coloquei na newsletter do Escritório  uma matéria sobre eles escrita por Tania Menai.

Compartilho com vocês a matéria.

Aproveitem!!

O mundo colorido de Osgêmeos,
Tania Menai, de Nova York

“Grafite não tem máscara. Ou faz parte da rua, ou está na galeria, figurando no cenário da arte contemporânea”, diz o paulistano Gustavo Pandolfo, em Nova York, sentado no chão, com a roupa inteira manchada de tinta, uma furadeira na mão e muitas idéias na cabeça. Ao lado de seu gêmeo idêntico, Otávio, ele compõe a dupla artística Osgêmeos. Simples assim. Inseparáveis desde que se conheceram no útero materno, há 35 anos, os meninos – caçulas de quatro filhos – iniciaram a carreira pintando a parede da sala dos pais, na calada da noite.

Expandiram a arte pelos telhados das vizinhas, tomaram os muros de São Paulo, e hoje pintam desde castelos, como fizeram na Escócia, até museus, como a Tate Modern, de Londres. Tudo sempre a quatro mãos. No ano passado a Deitch Gallery, no SoHo, em Nova York – galeria famosa por abrir seu espaço para artistas do gênero – convidou a dupla para expor. Eles passaram um mês em Nova York, trabalhando 12 horas por dia na galeria preparando a mostra Too Far Too Close (Muito Longe, Muito Perto).

Tudo isso graças ao curador Jeffrey Deitch, dono do bom olho que descobriu a dupla há anos, e lhes concedeu um espaço em Nova York, antes mesmo de qualquer galerista brasileiro reconhecer o talento dos dois.
“O Brasil é um país colorido. E isto está embutido em nosso trabalho”, diz ele, lembrando que sua arte habita hoje espaços de renomados colecionadores brasileiros e internacionais. Certa vez, ao pintar um muro em Coney Island, no Brooklyn, um passante ofereceu 2 mil dólares pelo casaco que Gustavo vestia, todo respingado de tinta. “Recusei. É o meu casaco predileto”, conta o artista, sem um pingo de arrependimento.

Na exposição de Nova York, duas paredes, uma pintada de rosa bebê, outra de verde claro, foram fundos para quadros feitos durante o mês de preparação e outros trazidos de mostras internacionais. Ainda havia esculturas, como uma cabeça gigante, feita em madeira, e caixas de som, pintadas com olho, nariz e boca. Já a parede central foi transformada pela dupla num mural de fundo amarelo ouro, que leva a marca registrada dos gêmeos: muito improviso, cenas do nordeste brasileiro, cores fortes e alegres, estampas criadas por eles, e traços que remetem a sonhos, fantasias, alegrias, e um mundo infantil. Uma das pinturas mostra um enorme peixe, que ilustra as pescarias dos gêmeos com o avô, ainda na infância. Duro imaginar que ao fim da exposição, o próximo artista pintou algo por cima.
A área de trabalho dos gêmeos é uma grande escolinha de arte de gente grande; latex, acrílico, óleo, spray, lixas de madeira, furadeiras, martelos, colagem, luzes e som – tudo espalhado pelo chão, uma grande improvisação. “Este é um reflexo da cultura popular brasileira: se virar com o que se tem”, revela Gustavo.

Antes de começar um trabalho, a dupla troca idéias – neste caso, por exemplo, eles passaram dois meses preparando a vinda para Nova York, e ainda trouxeram três assistentes técnicos brasileiros, especializados em mecânica e eletricidade. São eles que dão interatividade, como luz, movimento e som, à parte do trabalho. “Os estrangeiros são atraídos pela nossa arte da mesma forma que são atraídos pelo Brasil – pelo calor humano, pela beleza feminina, e pelo fato de ficar feliz com o pouco que se tem”, acrescenta.

Em São Paulo, a dupla divide um ateliê e afirma que, apesar de serem irmãos, e passarem tantas horas juntos, não brigam. Nem um pouquinho. Desde pequenos já desenhavam no mesmo papel. “Não importa quem fez o quê. Nunca houve competição entre nós, isto é impensável. O importante é o resultado final, ” diz ele, pregando no quadro um cavalo de madeira de cem anos, que ganhou de uma amiga.
Gustavo diz que a pintura foi sua a porta de saída de São Paulo. “Mesmo pintando um muro no meio do trânsito, começamos a viajar”. Os Gêmeos colocaram o pé na estrada pela primeira vez em 1994, ao pintar no Chile e na Argentina. Mas foi a partir de 1999 que eles decolaram. Já deram pinceladas no Japão, na Austrália, na China, em Cuba, e na Europa quase inteira.

Trabalharam na Lituânia, cidade do avô da dupla, e ainda pintaram, por dentro e por fora, a casa do palhaço russo Slava Polunin, considerado “o melhor do mundo”. Ao circular pelo mundo, a dupla prefere ruas a museus – para eles, há mais referências nas calçadas e metrôs do que em galerias. Contudo, não dispensam visitas ao Metropolitan Museum of Art de Nova York, que segundo Gustavo é um mundo de informação.

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Grafite, reportagens, Street Art

Comecei – um artista cada dia.

Ontem conversei com uma artista muito querida, a Dacha.

Dacha desenvolve uma obra rica em elementos, que causa impacto visual enorme, porque é um universo de cores.Um olhar mais atento percebe os detalhes, muitas figuras em variadas composições e combinações, a essência do trabalho.

Ela é um encanto de pessoa e suas telas trazem alegria e vida!
Eu gosto muito!

Ela abre a temporada” cada dia um artista diferente no blog”.

A Coroa é dela!!!

4 Comentários

Arquivado em Arte

Plano do mês-todo dia um artista diferente

Todo dia, conheço algum novo artista ou então vejo uma nova obra de um artista que já conheço, recebo alguma informação por email ou encontro alguém bacana na internet.
Então, como este material está tão próximo de mim e faz parte da minha vida,a partir de hoje, todo dia tem obra de um artista diferente.
Valendo todo tipo de arte, escultura, pintura, instalação, fotografia, jóia de autor e mais e mais…
Um pouquinho de influência do filme,Julia & Julie, onde Julie Powell se propôs a testar todo dia receitas diferentes do livro escrito por Julia Child, durante um ano e registrar a experiência num blog.

Adaptado para minha realidade e para o meu assunto, o plano é de um mês, pode durar mais, menos, pode sair e depois voltar, sem regras rígidas, a única certeza é que artista plástico sempre vai aparecer neste blog,
Começa amanhã dia 29 de janeiro.

Ah!em tempo:quem não assistiu,assista, a atuação de Merly Streep é imperdível.


.

1 comentário

Arquivado em Arte, Vídeo

Mais duas vaquinhas – Cowçada e Mumu Dadá

Hoje foi dia de cineminha e jantar no Kinoplex.
Lá encontrei duas vaquinhas:
A Mumu Dada da artista Clara Back  e a Cowçada do artista Victor Britto.
Só vou colocar aqui, as que eu encontrar pessoalmente.
Ah! O filme foi Sherlock Holmes.
O ponto importante:
Observar, prestar muita atenção nos detalhes faz a diferença.
Elementar??

2 Comentários

Arquivado em Arte

Arte e chuva

Nunca vi chover tanto assim.
Hoje,quem pode escolher, escolheu ficar em casa.
E olhou a vida pela janela.
A foto de hoje é Met Rain de Daniel Fontoura e é linda!!


Agora esta chuva de todo o dia, já perdeu a poesia.

3 Comentários

Arquivado em Arte, fotografia

Bio Cow e Cowragem na Cow Parade São Paulo 2010

Todo mundo se lembra da Cow Parade em São Paulo?
É a exposição das vaquinhas, esculturas em fibra de vidro que são pintadas por artistas e espalhadas pela cidade toda.
Depois de ficarem expostas por dois meses, são leiloadas e a renda é revertida para entidades beneficentes. Neste ano a beneficiada será a Fundação Gol de Letra.

Pois elas estão de volta.
Invadem a cidade a partir de amanhã, 22 de janeiro e fazem parte das comemorações do aniversário de São Paulo.

Tudo isto você já deve ter lido ou visto em algum lugar, o que gostaria de deixar registrado aqui, é que esta edição conta com participações muito especiais pra mim.
Duas artistas plásticas que participam dos meus projetos nacionais e internacionais.

A Rita Biagi pintou a BioCow, lindas borboletas azuis mostrando que podemos fazer o nosso mundo mais bonito e na boca da vaquinha um guarda-sol simbolizando a proteção que devemos ao nosso planeta.

E a Fernanda Meirelles pintou a Cowragem, inspirada na Mulher Maravilha e com as cores da bandeira de São Paulo, numa homenagem ao corajoso povo paulistano.

Não deixem de passar pela Rua Amauri para ver a Cowragem e na Av. Brigadeiro Faria Lima em frente ao Shopping Iguatemi para ver a Bio Cow.

Deixo registrado meu orgulho em vê-las participando.

Sucesso minhas queridas!!

4 Comentários

Arquivado em Arte

Primeira Exposição em 2010 – MIA Art Fair

Depois de quase vinte dias em Miami, grande parte do tempo participando da MIA Art Fair, estou de volta!

E mãos a obra!! Agora em São Paulo.

Comecei o ano trabalhando,  mas não reclamo não, é um privilégio fazer o que se gosta.

Olha só quem participou da MIA (Miami International Art Fair) no Booth #118 do Sciacco Studio:

Alina Fonteneau (escultura), Bel Miller (pintura e colagem), Daniel Fontoura (fotografia), João Ribeiro (fotografia), Magno Mesquita (fotografia),Nelise Ometto (pintura), Rita Biagi(pintura), Vera Lília (escultura) e Virgínia Sé (escultura).

Alina Fonteneau e Vera Lília, compareceram.

Nossa primeira Expo do ano. E vem mais!!


Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Arte, Exposições