Arquivo do mês: setembro 2010

“Meus amigos são um sucesso!”

Quando comecei a escrever este post, pensei logo numa tag que a querida Liliane Ferrari tem no blog dela: “meus amigos são um sucesso” e me apropriei da frase para o título de hoje.

Um dos idealizadores da TROYART, Nelson Schiesari, foi meu vizinho durante anos: vizinho talentoso!

A TROYART, (o nome é uma mistura de TOY ART e de Cavalo de Tróia), foi criada por Nelson Schiesari e Roberto Stelzer, eles se conheceram no curso de design do IED, se uniram e não pararam mais.

Começaram com bonecos de pano, depois resina, acrílico, aço; estamparam camisetas, desenvolveram uma linha de robôs gigantes de até 1,90m, montados somente por encaixe e lançaram livros: em agosto o Livro Branco em São Paulo, e  em Paris dois livros para crianças, produzidos pela empresa francesa Mon Petit Art.
Eles produzem kits colecionáveis, que se transformam em robôs, seres e veículos espaciais com um visual retro-futurista.
A Troyart faz parte do Destination Design Project do MOMA (NY).

Boas notícias atuais:

A idéia partiu da Diretora de Relações Internacionais, Renata Azevedo:
500 artistas selecionados receberão um paper toy kit da TROYART para montar e customizar, valendo a criatividade. Estes trabalhos farão parte de uma Exposição no MuBE com curadoria de Angela Ferrara e depois passarão a fazer parte do acervo do Museu.

Tem artistas de vários países participando.
Ainda dá tempo de se inscrever: para isto tem que clicar no link abaixo, enviar nome, endereço e site ou blog e após confirmação retirar o seu kit.
Aí é só deixar a imaginação fluir.
http://toymube.blogspot.com/p/chamada-para-artistas.html

Boa sorte!!! Te vejo no MuBE!!

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Toy Art

O Universo Feminino por Bel Miller

A artista vive e trabalha em São Paulo.
Sua poética gira em torno de elementos do Universo Feminino.
Bel Miller conta uma história em cada um de seus quadros. A colagem é utilizada como técnica principal aliada à pintura e como suporte, a madeira.
O trabalho que escolhi faz parte do meu acervo.
A arte da beleza!
Hoje é aniversário da talentosa artista.
Parabéns Bel Miller!! Continue criando, pois é um presente pra nós.

Ana Flor e Elas. 60 x 80cm-colagem, acrilica e oxidante-sobre-madeira-2007

6 Comentários

Arquivado em Arte, pintura

Flores

Fiquei triste porque uma querida artista perdeu sua jovem filha de 38 anos num acidente e depois a morte do artista paulistano Wesley Duke Lee.
Fiquei melancólica.
A vida é realmente muito rápida, o hoje já passou, como diz o artista.
Hoje, abri meu email e li as seguintes palavras:
“…tentarei viver daqui para frente não lamentando a sua ausência mas sim recordando de todos os seus momentos que foram meus…”
E é isto, podemos nos lamentar ou tentar seguir em frente, colocando flores na nossa vida.

1 comentário

Arquivado em Vídeo

“Hoje é sempre ontem” Wesley Duke Lee

Hoje É Sempre Ontem, 1972 Série Da Formação de um Povo IV colagem, 31 x 24 cm

Morreu no dia 12 de setembro, aos 78 anos, o artista Wesley Duke Lee.
E a obra que eu escolhi cabe em qualquer tempo e pra qualquer um, é política, filosófica, criativa e mais.
É pra pensar.

1 comentário

Arquivado em Arte

SP-Arte/Foto: em São Paulo

Abriu no dia 09 de setembro,  a quarta edição da sp-arte/foto que conta com a participação de 18 galerias.
Na programação da feira lançamentos de livros com a presença dos artistas Bob Wolfenson, Boris Kossoy e Cassio Vasconcellos e um curso com a professora Denise Gadelha(assisti a primeira aula),  a última é amanhã.
Visitei e escolhi três das fotos  que mais me chamaram a atenção, uma totalmente diferente da outra. As montagens são as mais diversas e os temas também variados.
Um ótimo programa cultural para este final de semana.


Claudia Jaguaribe


Luzia Simons

Daniel Toledo - Nesta foto são as mesmas pessoas e as mesmas roupas, Troca-Troca é o nome do trabalho.

SP-Arte/Foto
Local: Iguatemi São Paulo – Av. Brig. Faria Lima, 2232, 9º andar
9-10 SET – 16 às 22h
11-12 SET – 12 às 20h

Entrada Gratuita

1 comentário

Arquivado em Exposições, fotografia

O nascimento de uma Obra de Arte

No dia 23 de setembro poderemos ver aqui em São Paulo o filme A Obra de Arte, com direção de Marcos Ribeiro na Cinemateca Brasileira.

É um  documentário  longa-metragem que  mostra o processo de criação e produção de 7 artistas brasileiros: Beatriz Milhazes, Carlos Vergara, Cildo Meireles, Eduardo Sued, Ernesto Neto, Tunga e Waltércio Caldas.

“Como nascem e prosperam as obras de arte? O que são obras de arte?
Em visitas aos ateliês dos artistas plásticos citados, o diretor colheu depoimentos, imagens, perfomaces, gentilezas e surpresas em filmagens inesquecíveis.

O documentário revela a descoberta do mundo das artes plásticas pelo diretor, e como este mundo pode ser entendido e apreciado por todos.

Numa linguagem fluente e afetiva, com planos longos e música especialmente composta para o filme, o diretor conduz o espectador através dos ateliês e do pensamento dos artistas.

E os artistas ao falarem de suas idéias, mostram os procedimentos e métodos na produção de suas obras de arte.

Com a produção da jornalista Helena Lara Resende, uma belíssima música do maestro Antonio Saraiva, direção de fotografia de Manuel Águas e direção e montagem de Marcos Ribeiro, o filme, com suas imagens e depoimentos únicos, é capaz de revelar, entreter, emocionar e sugerir reflexões muito além das artes plásticas, de uma maneira delicada e original”.

Acontece bem próximo à  Abertura da 29ª Bienal de São Paul0, programação completa. Pra quem não puder comparecer, eu  aviso quando o DVD estiver disponível.

Categoria: Filmes
Gênero: Documentário
País / Ano: Brasil / 2009
Duração: 71 minutos
Direção: Marcos Ribeiro
Elenco: Beatriz Milhazes, Carlos Vergara, Cildo Meireles, Eduardo Sued, Ernesto Neto, Waltércio Caldas e Tunga.

Cinemateca Brasileira, dia 23 de setembro, quinta-feira, 20h30.
Largo Senador Raul Cardoso 207 Vila Clementino
São Paulo SP

1 comentário

Arquivado em Arte, Vídeo

As 9 coisas sobre mim

O post de hoje é diferente. Post meme.
Quem passou esta bola –DIFICÍLIMA– foi a Liliane Ferrari, super blogueira e uma das pessoas mais interessantes que já conheci.

Fui pensando e escrevendo, não está em ordem cronológica e não tem foto verdadeira para ilustrar (pena, porque cabelo de época é imperdível).
E seguindo a Lili, escrevi nove coisas com influência de tema das coisas dela.
Bom,vamos lá.

1.Só acredita quem convive comigo à mesa.
Eu como MUUITO!! Sem limites, parece que não tenho aquele aviso que o cérebro dá para sinalizar que chega, basta.
Sou boa de garfo!!
Detalhe: não como carne vermelha, nada de frutos do mar, camarão nem pensar, embutidos estou fora e longe de mim uma feijoada.

2. Não tive pager, não sou dos eletrônicos de nenhum tipo, até DVD (pasmem) ainda sou dependente, só estou mais saidinha com o computador, pois hoje sou uma blogueira, uai!!
E quero um iPAD.

3. Fiz publicidade, mas minha veia é jornalística, digo que sou investigativa. Hoje vou unindo tudo isto dentro do meu trabalho, o que me deixa impressionada porque fui muito, mas muito tímida, pensava tanto pra falar que o assunto mudava três vezes e eu ainda não tinha falado nada. Ainda sou, mas enfrento bem.

4.A maternidade foi minha profissão durante bons anos da minha vida, e maternidade assumida em tempo integral. Fundamental pra mim. Lembro disto com felicidade!! Mãe de dois meninos.
Boneca preferida: Mãezinha(ainda tenho a minha).

5. Fiz teatro, o Drama Visão – alguém conheceu? Na Rua Minas Gerais
Antes já tinha tentado a carreira de bailarinha, hahaha, nunca fui nem um pouco elástica e comecei o ballet moderno com 15, 16 anos, então sem chance. Mesmo assim insisti, fazia aula num espaço em Moema, incrível, delicioso, professora maravilhosa.
Nem posso contar(mas vocês podem imaginar) porque de um dia para o outro estava fechado e eu não tinha idéia do que rolava ali fora dança moderna.
E quando tentei fazer ballet clássico? Vocês não tem noção do que é tentar girar, girar, girar,uma tontura só.
Sonho até hoje em dançar na ponta do pé…
Quem sabe ballet da terceira idade?!

Prima Ballerina ou A primeira bailarina, cerca de 1878, Museu de Orsay

6. Minhas viagens foram na maioria das vezes à trabalho . Até minha primeira vez de avião foi quando trabalhei com pesquisa de mercado. Não sei se ainda tem este tipo de pesquisa, mas naquela época, íamos todos os pesquisadores numa perua até um local, que podia ser um conjunto de prédios ou casas e começávamos a tocar a campainha e perguntar:
“A senhora assistiu a novela das oito ontem?”
“Lembra de ter visto algum comercial de achocolatado?”
“A senhora concorda ou discorda?”
“Disconcordo.(Tem respostas inesquecíveis).”

7. Na minha primeira viagem internacional, pra Portugal, fui com a cara e a coragem. Nem cartão de crédito internacional eu tinha, pouco dinheiro e bastante  trabalho à vista. Consegui entender como dá pra viajar com quase nada, só fica dífícil se não tiver nenhum amigo.

8.Tenho enjôo. Tenho enjôo de tudo. Não posso ler no carro, se passo perto daquelas barraquinhas de praia, o cheiro me enjoa, se no ônibus eu sentar num banco de costas para o motorista, é enjôo certo, passeio de barco e cheiro de copo e por aí vai.
Às vezes enjôo até de mim, mas passa.

9.Eu sonho, sonho muito! Acredito sempre e não sou de ficar só nas nuvens eu também tento realizar. Outro dia recebi no twitter uma mensagem do meu filho:
Nunca se fez nada grande sem uma esperança exagerada” Júlio Verne – essa é para você mom, que sempre acredita em tudo!”

Minha lista pra passar a bola é interminável, a curiosidade é sem fim.

@adrivolpi, Nelise Ometto, Rita Biagi,  @dsf7, Lina Hauteville, Helena Bauerlein, Eymard, Monica Sciacco.

7 Comentários

Arquivado em eu