Arquivo da tag: Enock Sacramento

“A Cerâmica de Nelise Ometto”

Hoje, dia 17 de abril, é o lançamento do livro “A Cerâmica de Nelise Ometto” de autoria de Enock Sacramento sobre o trabalho da artista plástica Nelise Ometto.
Acontece na Galeria de Arte Joh Mabe com a exposição que tem o título “Árvore é Não Árvore” e curadoria de Fernando Flexa.
A belíssima obra abaixo, “Gloriosa”, é a capa do livro e convite.

NELISE OMETTO LANÇA LIVRO DURANTE EXPOSIÇÃO

Será lançado no próximo dia 17, terça feira, das 19 às 23 horas, no Joh Mabe Espaço Arte & Cultura, à Av. Brigadeiro Luiz Antônio, 4225, São Paulo, durante exposição individual de cerâmicas o livro A Cerâmica de Nelise Ometto, de autoria de Enock Sacramento, com patrocínio do Grupo São Martinho e apoio institucional do Ministério da Cultura através da Lei Rouanet.

A Cerâmica de Nelise Ometto tem 120 páginas e está dividido em sete capítulos: Período de Formação, No Ateliê Usina, No Ateliê da Rua Laboriosa, A pintura e a Cerâmica, Esculturas Cerâmicas, Sobre Nelise e Cronologia. O capítulo Sobre Nelise engloba três textos sobre a artista assinados por Megumi Yuasa, seu mestre, Jacob Klintowitz e Fernando de Abreu Ribeiro Filho. O primeiro é inédito e os dois últimos datam de 2007. O livro Inclui ainda alguns textos curtos da artista, à guiza de depoimentos.

A exposição, intitulada Árvores não-árvores tem curadoria de Fernando Flexa , que também responde pela direção de arte do livro. Reúne, no térreo da galeria, cerâmicas recentes de autoria de Nelise Ometto, referenciadas na árvore; no andar superior serão expostas técnicas mistas sobre tela, realizados com utilização de pintura e cerâmica. A mostra ficará aberta até o dia 30 de Marco, de segunda a sexta das 10 às 19 horas e aos Sábados, das 10 às 13 horas.

Continuar lendo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Exposições, São Paulo

Arte Contemporânea por Enock Sacramento

“O livro “Arte Contemporanea”, fruto de dois anos de trabalho, contém, além de um ensaio introdutório sobre arte contemporânea, trinta perfis de artistas contemporâneos brasileiros e trinta depoimentos dos mesmos.”
Enock Sacramento

Deixe um comentário

Arquivado em Arte

Waldomiro de Deus-50 anos de pintura

Waldomiro de Deus comemora 50 anos de pintura com uma Exposição Individual no Espaço Cultural  BM&FBOVESPA que começou dia 05 de agosto
A mostra conta com 22 obras, que é uma pequena parte da  intensa produção de desenhos, telas, guaches, que tem inúmeros admiradores  e o apreço de muitos críticos, segundo Enock Sacramento, curador da Exposição.
Waldomiro de Deus, 50 anos de pintura
Waldomiro de Deus está completando meio século de carreira artística e comemora o fato com esta exposição retrospectiva. Com efeito, foi em 1940, em São Paulo, que ele encontrou na casa de um antiquário para o qual trabalhava como jardineiro residente, folhas de cartolina, pincéis e guache. Começou a pintar até altas horas e a ter sono no dia seguinte. Flagrado algumas vezes dormindo no jardim, foi despedido.
Levou sua produção incipiente para o Viaduto do Chá, onde vendeu dois desenhos no primeiro dia. Com o dinheiro, alugou um pequeno quarto na rua Conselheiro Furtado e comprou materiais de pintura.
Assim começou a carreira de um artista que, em função de seu talento, de enorme força de vontade e de rara capacidade para atrair atenções da crítica e do público, seis anos depois estaria expondo em Paris, Moscou e Varsóvia e, no ano seguinte, participando da Bienal Internacional de São Paulo.

Ensina-me a subornar, acrílica sobre tela, 100 x 70 cm.

A partir de então realizou cerca de 70 individuais em diversos países e contabilizou uma substancial fortuna crítica.
Sobre ele, por exemplo, afirmou Jorge Amado: “É realmente de Deus esse Waldomiro, que reinventa a vida com a pureza de sua ingênua sabedoria. Um poeta do povo, um mágico”.
Waldomiro de Deus reside e trabalha em São Paulo e em Goiânia, cidade que
abrigou, até junho último, outro grande nome da arte popular brasileira: Antonio Poteiro. Os dois eram considerados expoentes da pintura primitivista brasileira.
Com o falecimento de Poteiro – que expôs ao lado dele, recentemente, em Goiânia, Campinas, São Paulo e Santiago do Chile – o nome de Waldomiro ganha nova expressão e representatividade no universo da atual arte naïve brasileira.
Enock Sacramento – Curador
2005 – Panicum de flores, ast, 120 x 80 cm
Espaço Cultural  BM&FBOVESPA
Praça Antônio Prado, 48, Centro – São Paulo – SP
De 06 de agosto a 17 de setembro de 2010, entrada gratuita.
Visitas de segunda a sexta-feira das 10h às 17h.


2 Comentários

Arquivado em Exposições, pintura