Arquivo da categoria: Mulheres que fazem a diferença

Exposição “Conexōes” Centro Cultural da Marinha em São Paulo

Meu destaque de hoje é para a artista plástica Inês Vitória, que vive e trabalha em Salvador.
Suas obras são coloridas, alegres, dinâmicas.
Quase autorretratos, mas que podem também ser o meu, o seu retrato.
Gatos acompanham, assim como barcos, espelhos, amores, flores, a lua e a cor azul, sempre recorrente em suas obras.

Em telas pequeninas ou maiores, com dimensōes de até 1,00 x1,00m, Inês Vitória expressa a sua própria linguagem artística e segue criando dentro de um tema com possibilidades infinitas.
Quando pequena a artista conversava com o espelho, criava suas estórias ali, hoje faz isto com tintas e pincéis em suas telas, podemos ser o que quisermos dentro delas.

A artista participou também de outro projeto do Sciacco Studio este ano, o dog.art.br.
Escolheu um dog alemão e utilizou a escultura como suporte para seu estilo inconfundível.

Esta semana participa juntamente com 14 artistas da Exposição Conexōes.
Uma mostra com linguagens que se conectam, obras que conversam entre si, que estabelecem um diálogo pela sequência, pela cor, pelo tema, pela imaginação.
Inês Vitória apresenta duas obras originais.
A exposição Conexōes vai até o dia 27 de outubro, domingo, no Centro Cultural da Marinha.
Av 9 de julho 4597
Horário: das 10h às 17h.
Vem conferir!

20131023-021209.jpg

20131023-021348.jpg

20131023-021412.jpg

20131023-021436.jpg

20131023-021448.jpg

Anúncios

10 Comentários

Arquivado em Arte, Exposições, fotografia, Livros de Arte, Mulheres que fazem a diferença, pintura, São Paulo

Quando Beatriz Milhazes ainda não era a artista de milhōes de dólares…

…e quando Marcantonio Villaca ainda abordava galeristas para apresentar o trabalho dela.

Recebi por email um texto da Revista Piauí que conta sobre a primeira vez(segundo o texto) que o galerista Marcantonio Villaça da antiga galeria Camargo Villaça, apresenta a obra da artista visual Beatriz Milhazes para uma conceituada galerista de Nova York, uma das melhores do mundo, Barbara Gladstone. De uma maneira inusitada, original e bem atrevida dentro de um vôo. Achei interessante compartilhar por dois motivos:

Ler este texto é, de certa forma, um incentivo aos artistas, ninguém sabe aonde vamos chegar, o negócio é trabalhar com afinco, amor, dedicação e marketing!!
Lembrando que a galerista torceu o nariz e disse o seguinte para o desenho apresentado: “bullshit”

Nove anos depois, dia 15 de maio de 2008, a tela de Beatriz Milhazes “O Mágico” foi arrematada no leilão da Sotheby’s por 1,49 milhão de dólares, o maior valor já alcançado por uma obra de artista brasileiro vivo. Beatriz não viu a cor deste dinheiro, a tela não era mais dela, mas obviamente colheu os frutos da valorização.

Quem arrematou a obra foi o colecionador argentino Eduardo Costantini, o mesmo que, em 1995, comprou por 1,5 milhão de dólares Abaporu de Tarsila do Amaral, hoje em exposição permanente no Malba, o Museu de Arte Latino-americana de Buenos Aires.

O outro motivo, o mais importante pra mim, foi ler e imaginar como o marchand amava e acreditava com toda a sua energia no que fazia, como acreditava naqueles que representava. Esqueci neste momento o dinheiro que ele ganhou, não é isto o que me fascinou, embora seja importante também. Imaginei Marcantonio uma pessoa incrível, deve ter sido um privilégio para as pessoas que conviveram com ele.

Pensei muito nisto, como nós, seres humanos que somos, precisamos de pessoas, de pelo menos uma pessoa que acredite no talento, no potencial que temos.

O nascimento é solitário, a morte também, mas a vida não pode e não deveria ser.

Beijos aos meus queridos e boa semana!!

Leia o texto da Revista Piauí por Bruno Moreshi clicando aqui.

20131007-130253.jpg

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, cidades brasileiras, Escritores, Exposições, Mulheres que fazem a diferença, Nova York, pessoas que fazem a diferença, pintura, São Paulo

Cartilha sobre o câncer de mama – Prevenir está em suas mãos

Antes de escrever sobre o assunto, pensei: minha vontade no blog é compartilhar arte, impressões, amizades, viagens, receitas, tudo o que faz a vida mais leve, agradável, feliz!
Então falar de câncer?! Quem já passou pela doença ou tem alguém próximo que vive ou viveu a situação sabe que não é fácil, é sofrido. Vou falar de tristeza e dor?

Não, não vou falar sobre a tristeza, mas sobre tudo que eu acredito que pode de alguma forma contribuir para melhorar, prevenir, curar os males do câncer, que com certeza não são somente físicos. Vou escrever, e muito, e sempre!

Conheci Valéria Baraccat Gyy em uma entrevista que já comentei, aqui, no blog. Valéria foi diagnosticada com câncer de mama e desde então vem lutando contra a doença e pensando nas outras mulheres, criando projetos, fazendo parcerias, divulgando a Arte de Viver Bem, Instituto que criou com este nome para trabalhar pela causa.
Visitei a Casa da Mulher, seu mais recente projeto, uma casa decorada por arquitetos renomados, com espaços voltados para melhorar a auto estima das mullheres e recebi a cartilha. Uma delas, são várias editadas com temas que gravitam no universo de como viver melhor, se cuidar, conhecer os direitos e as leis que protegem a mulher com câncer.

Os temas:
Cuide-se e leve uma Vida Saudável e Feliz
Prevenir só Depende de Você
A Atividade Física e as Leis como suas Grandes Aliadas
As Leis como suas Grandes Aliadas

A que eu recebi:
CARTILHA – Câncer de mama, a prevenção está em suas mãos.
Editada pelo Instituto Arte de Viver Bem,também sob direção desta mulher que faz a diferença.
Tem o apoio da Editora Abril para distribuição das cartilhas dentro de revistas femininas do grupo.
Parabéns Valéria pelo trabalho!

20130701-164907.jpg

1 comentário

Arquivado em Eu li., Mulheres que fazem a diferença, pessoas que fazem a diferença, São Paulo

Instituto Arte de Viver Bem inaugura a Casa da Mulher

Ouvi falar pela primeira vez deste projeto no Programa Amaury Junior.
Fiquei bem interessada na entrevista da Valéria Baraccat Gyy, especialmente pela cartilha que ela edita com muitas informações pra quem tem ou teve câncer.
E fui me interessando mais e mais quando ela contou deste projeto super especial, em parceria com arquitetos muito bacanas que desenvolveram e doaram integralmente seu trabalho em parceria com seus fornecedores, pensando nas necessidades desta mulher e de quem convive com ela no período de tratamento.
A partir de hoje a mostra está aberta para visitacão e permanece por três semanas.
O valor de R$ 30,00 da entrada será usado para manuntençào da Casa.
A ONG estará aberta a partir do dia 05 de agosto.

Instituto Arte de Viver Bem inaugura a Casa da Mulher

Projeto abrigará espaços para tratamento e combate ao câncer de mama
O Instituto Arte de Viver Bem (IAVB), idealizado por Valéria Baraccat Gyy, acaba de criar a Casa da Mulher, inspirada nos projetos sustentáveis utilizados nos EUA, país de referência para esses formatos. A Casa, com inauguração marcada para o dia 26 de junho, será um local para várias atividades voltadas para o público feminino, com foco no combate do câncer de mama e no tratamento da doença, além de palestras sobre o tema e capacitação profissional de físicos e fisioterapeutas.

Os ambientes da Casa da Mulher foram projetados por profissionais renomados como Daniela Colnaghi, Daniela Mattos e Maria Fernnanda Piti, Vilma Massud, Roberto Migotto, Marília Veiga, João Armentano, Mauricio Karam, Bick Simonato, Márcio Kogan, Luiz Carlos Orsini, Alex Hanazaki, Ricardo Pessuto e Marcelo Faisal.

Cada espaço receberá o nome do profissional e seus respectivos fornecedores, além de ganhar os nomes das empresas que os adotarem. Os profissionais tiveram total liberdade para criar os ambientes, devendo apenas manter o conceito que será destinado a atividades específicas.

A Casa será dividida em: Espaço Autoestima; Espaço para atividade física, fisioterapia e drenagem linfática; Auditório para palestras e capacitação; Espaço Multidisciplinar para atendimento psicológico, nutricional e jurídico; Espaço lúdico; Sala de Reunião e da diretoria; Recepção; e a Área externa. Cada ambiente foi previamente pensado para atender as necessidades que as mulheres que enfrentam ou enfrentaram o câncer de mama e seus familiares têm durante o tratamento da doença.

Casa será aberta para a visitação dos espaços decorados durante três semanas e dará início às atividades do Instituto em agosto de 2013.
Capacitação na Casa da Mulher
De acordo com o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), existem cerca de 4.400 mamógrafos no Brasil, sendo que apenas 1.500 estão na rede pública. Porém, segundo a Associação Brasileira de Física Médica, apenas 104 profissionais especializados em radiologia diagnóstica são capacitados para realizar o balanceamento dos aparelhos.
Frente a esses números preocupantes, a Casa da Mulher, em parceria com a USP e a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, oferecerá cursos de especialização em radiologia diagnóstica em mama para esses profissionais.

Conheça cada espaço:
O Espaço Autoestima, adotado pela designer de interiores Daniela Colnaghi, tem 29m² e será destinado para cuidados com a beleza. Neste ambiente, profissionais irão ensinar as mulheres a se maquiar e mostrar como podem usar lenços e perucas, uma forma de resgatar a autoestima dessas mulheres.

Daniela Mattos e Maria Fernnanda Piti são responsáveis pelo Espaço para atividade física, fisioterapia e drenagem linfática. A sala com 24m² terá a função de ajudar as mulheres em tratamento de câncer de mama na recuperação de seus movimentos.

O Auditório para palestras e capacitação foi adotado pela arquiteta Vilma Massud. A Sala de 20m² será utilizada para a capacitação de físicos e fisoterapeutas, além de palestras sobre prevenção do câncer de mama e outros assuntos sobre o tema.

O escritório Bick Simonato projetou a Sala para atendimento psicológico, nutricional e jurídico, com 16m². As mulheres em tratamento de câncer de mama precisam de orientação psicológica, já que a doença é tanto física como emocional; sendo importante também que conheçam seus direitos;

O Espaço lúdico ficou por conta da arquiteta Marília Veiga. O local com 10m² será repleto de brinquedos, livros e revistas de histórias em quadrinhos, para que as mães possam deixar os seus filhos brincando, assim não perdem suas atividades;

João Armentano adotou a Recepção, a sala de espera e um dos banheiros da casa, totalizando 30m² A Recepção será o local de primeiro contato com o público. A sala de espera será uma área confortável para as mulheres aguardarem atendimento.

Mauricio Karam idealizou a área de integração dos ambientes na parte superior da casa. A área de 13m² receberá uma mini biblioteca e servirá como um local para relaxamento durante as atividades da Casa.

A Sala de Reunião e da diretoria foi projetada por Roberto Migotto. É lá nos 20m² que formadores de opinião, tais como empresários, jornalistas, publicitários e chefs de cozinha irão se reunir para organizar eventos, almoços e palestras.

A fachada da Casa da Mulher será assinada por Márcio Kogan, responsável também pelo hall de entrada.

A Casa será repleta de verde idealizado pelos paisagistas Luiz Carlos Orsini, Alex Hanazaki, Ricardo Pessuto e Marcelo Faisal.
Pessuto assina o paisagismo nas laterais da Casa. Marcelo Faisal ficou responsável pela entrada e lateral direita.
Alex Hanazaki fará o terraço da frente. Já Orsini é o responsável pela integração dos ambientes do Espaço da atividade física e a sala de palestras.

Sobre o Instituto Arte de Viver Bem:
Idealizado em 2009 por Valéria Baraccat Gyy e um grupo de amigos, o Instituto Arte de Viver Bem (IAVB) é uma organização não governamental que tem como missão colaborar para diminuir a taxa de óbito por câncer de mama no Brasil, melhorando a qualidade de vida das mulheres tanto na prevenção, como em tratamento. O IAVB trabalha também para melhorar a política pública e dos mamógrafos do País.
O Instituto já fez parceria com a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e também desenvolve material didático, como as cartilhas de prevenção e combate ao câncer de mama. As cartilhas são distribuídas gratuitamente nos hospitais e centros de oncologia do estado. Para alcançar seu objetivo, realiza campanhas solidárias, como o Dia das Crianças e a Noite do Cobertor.
Há nove anos, Valéria trava uma luta contra o câncer de mama. Em 2004, quando foi diagnosticada, passou a estudar o assunto nos melhores centros de oncologia do mundo. Com o seu conhecimento, ela resolveu transformar o seu drama pessoal em ensinamento e mostrar que “viver bem”, mais do que um sonho, pode se tornar uma realidade. Atualmente, faz tratamento da recidiva detectada no início de 2012, mas com a mesma garra, continua desenvolvendo o trabalho frente ao IAVB, que ajudou a fundar.

Serviço

Casa da Mulher
Período de visitação dos espaços decorados
26 de Junho a 19 de julho de 2013
Abertura da ONG:
A partir de 05 de agosto
Local
São Paulo: Rua Major Natanael, 235 Pacaembu
Horário
Segunda a Sexta das 9h às 18h
Doações
As doações, de R$ 30,00, durante a visitação, serão para a manutenção da casa.
artedeviverbem

2 Comentários

Arquivado em Mulheres que fazem a diferença, pessoas que fazem a diferença, São Paulo

A Sobrevida de uma jaqueira por Jacqueline Giovannini

Jacqueline Giovannini é uma destas artistas que quando conhecemos pensamos:como uma pessoa pode ter tanta, mas tanta criatividade assim?!
Ela uma vez me disse algo que achei muito interessante: “as idéias vem muito fácil, eu me sinto assim como o Prof Pardal, lembra do Prof Pardal? É como se ficasse tudo em volta de mim, flutuando em volta  da minha cabeça e eu esticasse minha mão e pegasse uma das idéias.”

Esta sua série de peças  foi desenvolvida  com a madeira de uma jaqueira de sua fazenda, uma enorme árvore descartada, que foi tratada  para  que a artista desenvolvesse seu trabalho: escultura e móveis escultóricos.

A sobrevida de uma árvore transformada em obras de arte!

Todas suas obras tem formas orgânicas que acompanham o movimento harmonioso da madeira, acentuada pelas curvas recorrentes em praticamente todo o trabalho, e em algumas a artista coloca cordas de violão; cordas que fazem alusão aos sons, sons da natureza, sons  da vida resgatada.
A origem, a vida, a natureza em suas muitas formas, o nascimento,  os pássaros,  são temas recorrentes.

São mais de 30 peças já criadas e outras que ainda virão.
Confira algumas de suas criações.

4 Comentários

Arquivado em Arte, Esculturas, Mulheres que fazem a diferença, Objetos com Arte

Mulheres (DES)COLADAS por Bel Miller

Fiquei vários dias afastada aqui do blog,  e os assuntos (que são muitos), estão esperando para serem postados.
Mas o afastamento foi por bons motivos e um deles foi a organização da Exposição Mulheres ( DES) COLADAS da artista plástica Bel Miller.

Eu sou apaixonada pela obra da artista e trabalhar para esta exposição foi um prazer.

Começando pelo convite que é lindo, e se transforma em vários imãs, a tela, três imagens da tela e as informações, fazendo uma referência aos recursos visuais utilizados pela artista: o corte, o reagrupar elementos e a colagem. Bel Miller desenvolveu sua linguagem artística aliando a técnica da colagem à pintura com tinta acrílica, para ela as técnicas se completam.

Bel Miller se apropria de elementos e temas que envolvem o universo feminino, sendo a mulher sempre o personagem central de suas histórias, contadas em cada tela. “Amulher é um tema rico e fascinante, infinito como fonte de inspiração, tudo começa com ela, nada acontece sem sua participação”.

Suas mulheres são fortes, sonhadoras, reais, irreais, negras, brancas, amarelas.
Vale a pena visitar a Exposição e conhecê-las pessoalmente.

Sobre a artista:
O ano de 2010 foi rico em convites e exposições para a artista plástica Bel Miller, que apresentou seus trabalhos em Miami, Nova York, na Casa Cor São Paulo e foi selecionada com a obra “Eclipse”, pelo Salon de la Société Nationale des Beaux Arts, em Paris.
Nascida em Porto Alegre (RS), veio para São Paulo, onde estudou na Escola Pan-Americana de Artes, no curso de Designer de Interiores, formando-se em 2000. Em 2002, iniciou outros cursos na mesma escola: Artes Plásticas e História da Arte. Em 2005,  fez curso de pintura em cerâmica na Olaria Paulistana, onde se apaixonou pela tesoura e pelos papéis nas aulas de decoupage.
Começou a recortar, colar e criar as mais variadas composições em caixas, bandejas e cerâmicas, orientada pela artista plástica Ana Lúcia Galgani, desenvolvendo seus trabalhos em colagem.

Mais obras:

 

Cabeça Florida (50 x 40cm - colagem e acrílica sobre madeira - 2009)

 

 

Anunciação (50 x 60cm - colagem, acrílica e areia vulcânica s obre madeira - 2008)

 

 

Duas Faces de Eva (50 x 70cm - colagem e acrílica sobre te la - 2006)

 

3 Comentários

Arquivado em Arte, Exposições, Mulheres que fazem a diferença, pintura