Arquivo da categoria: Street Art

Visitando as galerias do Chelsea com Claudia Calirman – parte I

O que não falta em New York é museu, galeria, studio e espaço alternativo para arte. Mesmo que você venha bastante, conheça bem a cidade, fica difícil escolher entre as inúmeras opções de galerias e exposições em cartaz. Existem prédios inteiros dedicados a elas!! Você encontra galerias pequenas, outras que parecem museus, galerias que representam artistas conhecidos internacionalmente e outras com artistas emergentes.

Pensando nisto e contando com a ajuda preciosa da doutora em arte, curadora e querida Claudia Calirman para esta seleção, fizemos um tour por cerca de 14 galerias com as mostras mais bacanas pra te mostrar o que está acontecendo no mês de outubro de 2013 pelo Chelsea.

Como são muitas galerias, fotos e artistas, vou dividir em mais de um post para facilitar a visualização e não cansar, assim podemos absorver melhor as informações.

O lugar marcado para começar o tour foi o Chelsea Market, antiga fábrica dos biscoitos Nabisco e agora um paraíso gourmet. Restaurantes bons e badalados, cafeterias, lojas e nos andares superiores studios de artistas.
Marcamos exatamente aqui, na Sarabeth’s Bakery

20131104-153217.jpg

Saímos em direção à 18th street e entramos na Hauser &Wirth, onde começamos com uma exposição de Brasil. “Sensitive Geometries Brazil. 1950s -1980s. As obras são de um período pós-guerra, onde os artistas experimentavam as possibilidades de expressão dentro de uma linguagem geométrica. Chamada de arte concreta, você pode ver os trabalhos apresentados na galeria clicando aqui.

20131104-153428.jpg
Lothar Charoux — Composição, 1964
Gouache on paper
50 x 70 cm / 19 5/8 x 27 1/2 in

Na mesma galeria vimos a exposição “Something Ancient, Someting New, Something Blue” do artista Mattew Day Jackson. Um trabalho centrado em pesquisas arqueológicas, no pós guerra, no antigo, no novo, em esqueletos, morbidez, um discurso conceitual baseado nestas relaçōes.

20131104-155950.jpg
Alone in Relationship to the Absurd, 2013
Scorched wood, fiberglass insulation, tar paper, steel, wiring, plastic, bronze, Plexiglas, aluminium
127.1 x 121.9 x 121.9 cm
Clicando aqui você pode ver outras obras da exposição.

Seguindo pela 19th street, a segunda galeria David Zwirner
Aqui vimos a exposição de fotos, Hustlers series, desenvolvida cerca de 20 anos atrás, nas proximidades de Los Angeles, o artista Philip-Lorca Dicorcia contratou meninos de programa para que posassem pra ele, pagando o que eles cobravam pelo programa. Criou cenários para fotografar estes rapazes, com luz, fundo e tema para cada foto.
Nas informações sobre cada foto aparece também o valor pago pelo”programa”

20131104-165651.jpg
Tim, 27 years old, Orange County, California, $30, 1990-1992
Chromogenic print, (78.1 x 109.5 cm)

A próxima galeria também na 20th street, a Ziehersmith pudemos ver a exposição “Observer Effect” de Mike Womack que apresentou 14 esculturas que tomaram corpo em 2011 quando o artista estava cuidando de sua mãe doente que lutava com a memória de curto e longo prazo. O artista fez sessōes de hipnose para resgatar lembranças e memórias e segundo ele seu desejo era, extrair memórias de infância na forma de desenhos e re-enterrar-los em um cofre de aluguel, mas decidiu lança-los na forma de concreto, como esculturas.

20131104-232755.jpg

Seguimos para a Bortolami Gallery, onde estava em cartaz “Interior Color Beauty” uma exposição de novas pinturas de Morgan Fisher em sua segunda exibição na galeria. São 25 pinturas onde o artista faz combinações de cores para o interior baseado no livro “Exterior and Interior Color Beauty” produzido em 1935 por General Houses, uma construtora de casas pré-fabricadas.
As cores foram escolhidas de acordo com o catálogo de quais seriam os melhores tons para a sala de estar, jantar, o hall e a cozinha. A organização do livro determinou a organização da exposição.
Os trabalhos foram desenvolvidos na mesma madeira das casas pré- fabricadas.
Muitos dos trabalhos de pintura e escultura do artista estabelecem relaçōes com a arquitetura, como os que pudemos ver nesta mostra.

20131104-235031.jpg

A seguinte galeria visitada, Pace Gallery, é bem conhecida e esteve presente no Brasil na sp-arte, feira de arte que acontece anualmente na cidade de São Paulo.
Robert Ryman estava com a exposição Recent Paintings.

20131105-000003.jpg

E fechando este primeiro post visitamos outro espaço da David Zwirner na mesma rua 20th street, apresentando obras do artista John MacCracken(1934-2011)

20131105-001006.jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Exposições, fotografia, Grafite, Instalação, Livros de Arte, Nova York, reportagens, Street Art

As inspirações do projeto dog.art

Além do amor pelos animais e pela arte, foram muitas as inspirações do Sciacco Studio, para o dog.art, afinal o mundo esta cada vez mais customizado. Por onde andamos encontramos: objetos, animais, roupas, sapatos, tênis, tudo o que pudermos imaginar está sendo decorado de forma bem autoral.

E esta customização vem de longa data, nas nossas pesquisas o primeiro que temos notícias foram os leöes customizados na cidade de Zurique, em 1986 na Suiça, em comemoração ao aniversário da cidade. Depois vieram as mundialmente conhecidas vaquinhas, rinocerontes, elefantes e ovos em Londres, flamingos em Miami, maças em Nova York, galos em Portugal, guitarras, sapatos e mais uma infinidade de projetos.

Aqui em São Paulo, guitarras, vacas, rinocerontes, porcos e raposas já foram vistos e especialmente o trabalho encantador da artista Evelyn Tannus que foi homenageada pelo projeto e que você pode ver aqui no dog.art.

Nestes projetos artistas (em alguns locais somente artistas da região podem participar e em outros podem participar artistas do mundo todo) são convidados para customizar a escultura do animal/objeto. No dog.art os convidados eram totalmente livres para criar. Podiam usar qualquer técnica ou tema. Escolhiam uma das cinco raças do projeto, recebiam a escultura branquinha e a bola da inspiração era passada para eles.
Cada um buscou a sua própria linguagem e o resultado foi lindo!
Você pode ver os dogs customizados no site do dog,art:

http://dog.art.br/

Aguardem o próximo projeto Sciacco Studio já está saindo do papel!

20131001-182114.jpg

20131001-182312.jpg
Este artista é brasileiro, Cako Martin, participou também do dog.art com dois galgos lindos!

20131001-182656.jpg

20131001-185949.jpg
Em cerâmica, da artista Evelyn Tannus

20131001-190847.jpg

Deixe um comentário

Arquivado em Acessórios com Arte, Arte, Exposições, Nova York, Objetos com Arte, pintura, São Paulo, Street Art, Toy Art

Exposição dog.art no Shopping Frei Caneca

Esta semana vou dedicar espaço no blog pra falar sobre um projeto maravilhoso do Sciacco Studio, o dog.art.

O amor pelos animais e pela arte e inúmeras exposições pelo mundo de customização de animais e objetos foram a inspiração parao desenvolvimento da idéia.

São cinco raças de cães, incluindo um vira-lata, em tamanho natural de fibra de vidro, customizados por artistas plásticos e celebridades.

Neste final de semana, o Shopping Frei Caneca apresenta mais de 30 dos dogs participantes do projeto. Se você gosta de cachorros e de arte é um excelente passeio com a família, com as crianças e mesmo sozinho.

Tirando fotos marque com #dogart #dogartbr
E siga o instagram @dogartbr assim você acompanha as novidades e trabalhos super lindos dos artistas que pintam, esculpem, fotografam, usando seus melhores amigos como modelos!!

20130923-141909.jpg

Deixe um comentário

Arquivado em Acessórios com Arte, Arte, cidades brasileiras, Exposições, Grafite, Objetos com Arte, pintura, São Paulo, Street Art, Toy Art

O artista que pinta as telas do Ninho – novela Amor à Vida.

Pedro Sasso mais conhecido como “Saci loves you” é o verdadeiro pintor das obras do personagem Ninho da novela Amor à Vida.

Ele tem 23 anos, faz arqutetura e Urbanismo na Universidade Mackenzie e apresenta seus trabalhos na Galeria Virtual Coletor

Seu atelier fica na Aclimação, região de grafiteiros, como Os Gêmeos.
Ele diz que começou com o graffiti aos 17 anos, que gosta da cor rosa, sempre presente em suas obras, que remetem ao feminino.

Já fiz outros posts sobre obras de arte em novelas, falei sobre o Vik Muniz na novela Passione que você pode ler aqui, sobre a escultura de John Chipiri na novela Insensato Coração aqui e sobre o Aldemir Martins na novela Gabriela em 1975 aqui.

Repito o que disse nos outros posts, acho válido divulgar arte dentro das novelas em um canal que atinge tantos milhōes de pessoas, mas acredito que deveriam dar um destaque maior para que pudessemos realmente conhecer os artistas verdadeiros, porque do jeito que é apresentado as pessoas assistem aquela imagem e continuam sem saber nada sobre quem as fez.

Seria uma excelente forma de levar conhecimento e cultura todo dia no horário nobre.

20130919-215748.jpg

20130919-215832.jpg

20130919-215853.jpg

20130919-221302.jpg

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Grafite, Ilustração, pintura, São Paulo, Street Art

NINA PANDOLFO | SERENDIPIDADE

Depois eu conto tudo sobre a exposição;)

NINA PANDOLFO | SERENDIPIDADE

Abertura: 14 de Setembro

Em sua terceira exposição individual na Galeria Leme, Nina Pandolfo apresenta uma série inédita de pinturas, e traz como novidade instalações robóticas que darão mais vida ao seu universo lúdico.

Um dos destaques da exposição é um ninho gigante de João-de-Barro, no qual os visitantes poderão entrar e encontrar algumas surpresas criadas por Nina. A mostra também contará com outras obras que evidenciam as características de seu trabalho, como uma caixa de música, com cerca de 1 metro de altura, onde a bailarina dança a trilha sonora composta pelos DJs Tony Beatbutcher e Roger Dee. Para quem gosta de animais, a exposição ainda trará um gato de pelúcia de três metros de comprimento, que ronronará ao receber carinho.

O curioso título da exposição esta ligado ao termo “Serendipty” criado pelo escritor britânico Horace Walpole, em 1754, em referência ao conto persa infantil “Os três príncipes de Serendip” e à capacidade dos protagonistas de realizarem descobertas acidentalmente. Este famoso “acaso”, que leva a descobertas instigantes, é o fio condutor da exposição, já que os esboços das obras apresentadas surgiram em um momento de descontração.

“Quando descobri este termo, senti na hora que estava relacionado com o meu trabalho, pois descreve uma das técnicas de desenvolvimento do potencial criativo, ou seja, o “acaso” que tinha que acontecer, uma descoberta que chega por meio da perseverança e senso de observação”, comenta a artista.

20130914-095823.jpg

1 comentário

Arquivado em Arte, Exposições, pintura, release, São Paulo, Street Art

The Roses – A Primavera de Will Ryman

Desde janeiro de 2011 quem passou pela Park Avenue em Nova York pode conferir a instalação “The Roses” do artista Will Ryman.
Grandes esculturas de rosas com direito a joaninhas e pétalas soltas que ocupam o canteiro central da Park Avenue entre as ruas 57th e 67th.
As obra (38 esculturas no total) foram feitas em aço inox, fibra de vidro, pintura automotiva e latão, com o apoio da galeria Paul Kasmin Gallery em conjunto com o departamento “Parks & Recreation” da cidade de Nova York e Fund for the Park Avenue Sculpture Committee.
Inspirado na mudança das estações o artista busca em suas criações unir a fantasia e a realidade.
Esta exposição de arte pública vai até dia 31 de maio.

Para ver a completa história da arte na Park Avenue visite www.nycgovparks.org/art e www.fundforparkavenue.org

4 Comentários

Arquivado em Esculturas, Exposições, Instalação, Nova York, Street Art

Hoje é dia de Gêmeos

Ano passado,  tive a oportunidade de assistir uma mesa redonda com Osgêmeos, visitar a Exposição na FAAP e ainda coloquei na newsletter do Escritório  uma matéria sobre eles escrita por Tania Menai.

Compartilho com vocês a matéria.

Aproveitem!!

O mundo colorido de Osgêmeos,
Tania Menai, de Nova York

“Grafite não tem máscara. Ou faz parte da rua, ou está na galeria, figurando no cenário da arte contemporânea”, diz o paulistano Gustavo Pandolfo, em Nova York, sentado no chão, com a roupa inteira manchada de tinta, uma furadeira na mão e muitas idéias na cabeça. Ao lado de seu gêmeo idêntico, Otávio, ele compõe a dupla artística Osgêmeos. Simples assim. Inseparáveis desde que se conheceram no útero materno, há 35 anos, os meninos – caçulas de quatro filhos – iniciaram a carreira pintando a parede da sala dos pais, na calada da noite.

Expandiram a arte pelos telhados das vizinhas, tomaram os muros de São Paulo, e hoje pintam desde castelos, como fizeram na Escócia, até museus, como a Tate Modern, de Londres. Tudo sempre a quatro mãos. No ano passado a Deitch Gallery, no SoHo, em Nova York – galeria famosa por abrir seu espaço para artistas do gênero – convidou a dupla para expor. Eles passaram um mês em Nova York, trabalhando 12 horas por dia na galeria preparando a mostra Too Far Too Close (Muito Longe, Muito Perto).

Tudo isso graças ao curador Jeffrey Deitch, dono do bom olho que descobriu a dupla há anos, e lhes concedeu um espaço em Nova York, antes mesmo de qualquer galerista brasileiro reconhecer o talento dos dois.
“O Brasil é um país colorido. E isto está embutido em nosso trabalho”, diz ele, lembrando que sua arte habita hoje espaços de renomados colecionadores brasileiros e internacionais. Certa vez, ao pintar um muro em Coney Island, no Brooklyn, um passante ofereceu 2 mil dólares pelo casaco que Gustavo vestia, todo respingado de tinta. “Recusei. É o meu casaco predileto”, conta o artista, sem um pingo de arrependimento.

Na exposição de Nova York, duas paredes, uma pintada de rosa bebê, outra de verde claro, foram fundos para quadros feitos durante o mês de preparação e outros trazidos de mostras internacionais. Ainda havia esculturas, como uma cabeça gigante, feita em madeira, e caixas de som, pintadas com olho, nariz e boca. Já a parede central foi transformada pela dupla num mural de fundo amarelo ouro, que leva a marca registrada dos gêmeos: muito improviso, cenas do nordeste brasileiro, cores fortes e alegres, estampas criadas por eles, e traços que remetem a sonhos, fantasias, alegrias, e um mundo infantil. Uma das pinturas mostra um enorme peixe, que ilustra as pescarias dos gêmeos com o avô, ainda na infância. Duro imaginar que ao fim da exposição, o próximo artista pintou algo por cima.
A área de trabalho dos gêmeos é uma grande escolinha de arte de gente grande; latex, acrílico, óleo, spray, lixas de madeira, furadeiras, martelos, colagem, luzes e som – tudo espalhado pelo chão, uma grande improvisação. “Este é um reflexo da cultura popular brasileira: se virar com o que se tem”, revela Gustavo.

Antes de começar um trabalho, a dupla troca idéias – neste caso, por exemplo, eles passaram dois meses preparando a vinda para Nova York, e ainda trouxeram três assistentes técnicos brasileiros, especializados em mecânica e eletricidade. São eles que dão interatividade, como luz, movimento e som, à parte do trabalho. “Os estrangeiros são atraídos pela nossa arte da mesma forma que são atraídos pelo Brasil – pelo calor humano, pela beleza feminina, e pelo fato de ficar feliz com o pouco que se tem”, acrescenta.

Em São Paulo, a dupla divide um ateliê e afirma que, apesar de serem irmãos, e passarem tantas horas juntos, não brigam. Nem um pouquinho. Desde pequenos já desenhavam no mesmo papel. “Não importa quem fez o quê. Nunca houve competição entre nós, isto é impensável. O importante é o resultado final, ” diz ele, pregando no quadro um cavalo de madeira de cem anos, que ganhou de uma amiga.
Gustavo diz que a pintura foi sua a porta de saída de São Paulo. “Mesmo pintando um muro no meio do trânsito, começamos a viajar”. Os Gêmeos colocaram o pé na estrada pela primeira vez em 1994, ao pintar no Chile e na Argentina. Mas foi a partir de 1999 que eles decolaram. Já deram pinceladas no Japão, na Austrália, na China, em Cuba, e na Europa quase inteira.

Trabalharam na Lituânia, cidade do avô da dupla, e ainda pintaram, por dentro e por fora, a casa do palhaço russo Slava Polunin, considerado “o melhor do mundo”. Ao circular pelo mundo, a dupla prefere ruas a museus – para eles, há mais referências nas calçadas e metrôs do que em galerias. Contudo, não dispensam visitas ao Metropolitan Museum of Art de Nova York, que segundo Gustavo é um mundo de informação.

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Grafite, reportagens, Street Art